Bebês e a alimentação fora de casa!

É só começar a alimentação dos pequenos que os eventos sociais começam a aparecer. Aniversários, festas de família, natal, almoço de domingo na casa da avó. Mas como manter a alimentação dos pequenos fora de casa? Nesse texto do Blog Homeopatia e Saúde um manual de como manter os pequenos com a alimentação saudável fora de casa.

Mamães, papais, vovós, madrinhas e “tias” em geral costumam afirmar que comer algo perto dos bebês desperta a vontade deles comerem a mesma coisa. Porém, como afirma Dra. Ana Lucia Dias Paulo, médica pediatra homeopata, isso é mito. “A não ser que realmente a criança esteja com fome, no horário de sua refeição a criança não é despertada ao ver alguém comendo”, explica a pediatra.

Quando respeitamos os horários criados para a alimentação devida dos bebês, eles não sentem fome e não sentem essa curiosidade ou desejo por determinado alimento. Com a rotina estabelecida, os pequenos já sabem o que vai lhes acontecer, como banho, alimentação, soneca, brincar, etc. Eles são guiados pela rotina premeditada de cada evento, muito importante para que lhes seja transmitindo segurança e conforto e proporcionam um crescimento saudável.

Alimentação Bebês Saudável

Para manter essa rotina, tão necessária ao crescimento saudável e equilibrado, é importante que os pais resistam a oferecer guloseimas que seus pequenos ainda não estão prontos para experimentarem e mesmo durante eventos sociais como festas de aniversários, natal, páscoa, a rotina alimentar do bebê continue sendo a mais natural possível.

“Se a família desejar, vale a pena levar de casa a comidinha do bebe nos eventos sociais, principalmente se eles estiverem marcados em horários das refeições do bebê. Ainda é possível optar por alimentar o pequeno antes de sair de casa, para evitar que seja oferecido à ele alimentos não próprios à sua idade”, explica Dra. Ana Lucia.

Para crianças acima de um ano de idade, que já foram introduzidas à alimentação sólida, é permitido, desde que com cautela, experimentar algum alimento fora da sua rotina comum, mas sempre em pequenas quantidades. “As crianças podem participar das festividades e reuniões familiares à mesa, socializando com parentes e amigos entre alimentos, mas sem que isso seja conduzido de forma a ser uma festa de gula sem controle”, aconselha a médica.

Em festas infantis, onde a oferta de doces e guloseimas se torna um festival de cores e sabores que seduzem o olhar e despertam o paladar, ter bom senso é o melhor. “As crianças podem experimentar pequenas novidades, mas sem exagero e sem uma oferta calórica imprópria para sua idade”, diz Dra. Ana Lucia.

similiaAos poucos, a criança vai conhecendo novos sabores, não há necessidade de envolvê-la numa confusão de doces e carboidratos de uma única vez, ainda mais que os profissionais da área da saúde recomendam que o uso de açúcar só possa acontecer após o primeiro ano de vida do bebê.

Nunca é demais ressaltar que o consumo de açúcar na infância deve ser controlado com rigor, não apenas pelos inúmeros casos de obesidade infantil, cáries e diabetes, mas também por uma consciência familiar da importância de uma boa alimentação, desde os primeiros meses de idade.

A maioria das festas, infantis ou não, priorizam uma alimentação pouco saudável e hipercalórica, mas visualmente atrativa e que na verdade, atraem mais os sentidos dos adultos do que dos bebês, já que eles desconhecem grande parte dos sabores.

Ao preparar uma festa para os pequenos, a dica da Dra. Ana é fazer substituições no cardápio. “Oferecer um pouco de tudo em festas infantis. Biscoitos de polvilho ao invés de bolachas receadas, pão de queijo caseiro em troca de cachorro quente e hambúrguer, água ou sucos naturais em vez de refrigerante. Aliás, a água é essencial em festas infantis, e oferecer em abundância às crianças”, completa a médica.

O cuidado, disposição e a criatividade da família são importantes e um cuidado essencial para evitar que o bebê seja estimulado a consumir alimentos industrializados e ricos em gorduras saturadas, açúcares em excesso e aditivos químicos precocemente.

similiaOs pais devem se lembrar que seus filhos terão uma vida toda para escolherem o que vão comer, quanto e quando vão comer e estarem expostos às mais diversas ofertas de alimentos industrializados desde cedo é antecipar, talvez, o hábito à uma alimentação não saudável.

Afinal, um adulto saudável, com hábitos alimentares naturais e equilibrados certamente foi um bebê que teve estímulos desde cedo em sua família, através de exemplos e da oferta rotineira de alimentos naturais e saudáveis.

A família tem um papel fundamental na responsabilidade sobre como vai apresentar os alimentos ao   bebê e da forma que vai coordenar a sua alimentação diariamente, mas sem esquecer que o exemplo real, vivido na mesa da cozinha de casa todos os dias, é mais eficiente do que qualquer outra manifestação.

2016-03-01T03:12:12-03:00 01/03/2016|BEM-ESTAR|0 Comentários

Deixar Um Comentário